Nossa História

Ministrar uma educação moderna à juventude.

Monsenhor Luigi Biraghi, aos 37 anos, preocupado com a educação feminina das classes sociais mais ricas da sociedade de Milão, decidiu fundar um Instituto que unisse o método, a ciência desejada pelos tempos, as leis escolares, o espírito cristão e as práticas evangélicas para cuidar da educação das jovens.

Com o auxílio de Marina Videmari, fundou o Instituto Internacional das Irmãs de Santa Marcelina, em 22 de setembro de 1838. Como protetora do Instituto, Biraghi escolheu Santa Marcelina que educou santamente os irmãos menores, Santo Ambrósio e São Sátiro.

BEATO Luigi Biraghi

O Beato Luigi Biraghi, nascido em Vignate (Milão), a 2 de novembro de 1801, foi sacerdote exemplar, sempre fiel a Cristo e à Igreja. Diretor espiritual nos Seminários da Diocese milanesa instruiu e guiou os jovens que lhe foram confiados. Doutor e vice-prefeito da Biblioteca Ambrosiana, dedicou seus estudos ao serviço da fé. Faleceu em Milão, aos 11 de agosto de 1879. Foi beatificado no dia 30 de abril de 2006, no Duomo de Milão.

Madre Marina Videmari

Nasceu em Milão (Itália), aos 22 de agosto de 1812. Desde cedo pensou em consagrar-se completamente a Deus. Ardente e generosa na busca da vontade de Deus, disse o seu sim "disposta a tudo, com a graça do Senhor" à proposta de Monsenhor Luigi Biraghi, que a queria colaboradora para seu projeto apostólico de fundação das Marcelinas. Madre Marina Videmari, levada pela caridade de Cristo, foi animadora incansável das Irmãs e alunas nos vários Colégios da Itália e da França.

Terna e forte, firme e bondosa, profundamente piedosa, soube dar às Marcelinas, à luz de uma fé invencível, um estilo de simplicidade e de família, com uma característica inconfundível de serena solidez. "CORAGEM"! Foi sua última palavra.

Morreu em Milão, aos 10 de abril de 1891.

De Botucatu para todo brasil.

Desde a sua criação, o Instituto tinha como objetivo ministrar uma educação moderna à juventude feminina e, por meio dela, transformar a conturbada sociedade da época.

A partir de então, a Congregação passou a crescer e se difundir – primeiramente na Itália, e depois para diversos países, inclusive o Brasil, que teve seu primeiro colégio fundado em Botucatu (SP), em 1912. Com a direção de Madre Valentini, as Irmãs Marcelinas abriram colégios nas principais cidades brasileiras. Mas, diante de graves desequilíbrios socioeconômicos, também passaram a se dedicar às obras sociais e hospitalares.

Missão e Visão

A Missão Marcelina é transformar a sociedade à luz do Evangelho, tendo a ciência como instrumento e meio, para evangelizar o ser humano em sua totalidade, acompanhando os sinais dos tempos. As Irmãs, em comunhão com leigos, em espírito de família, se dedicam à educação, à saúde e à assistência social, com base nos valores éticos, morais e cristãos, a partir de atitudes de acolhida e do cuidar, com firmeza e suavidade.

Carisma

As Marcelinas são chamadas a viver um carisma educativo, revelador da paixão de Deus Pai pelo homem. Caracteriza-as a contemplação de Cristo Salvador que as envia a anunciar, em todos os campos da sua missão apostólica, a verdade do Evangelho. Elas cumprem sua missão no método da encarnação, com atitude materna e espírito de família.

Espiritualidade

A espiritualidade Marcelina, isto é, o seu viver no Espírito, é CRISTOCÊNTRICA, nascida do carisma educativo do Beato Luigi Biraghi, é permeada de "simplicidade e solidez", rica de fraternidade; é missionária, orientada para o outro no desejo de gerar "criaturas novas", segundo as Bem-Aventuranças.

O encontro Eucarístico, a escuta da Palavra de Deus e a imitação de Maria, nutrem a espiritualidade da Irmã Marcelina que, no estilo da Encarnação, partilha a vida do outro e assume com compaixão o próprio tempo para sanar os "estragos e restaurar a beleza da criatura feita à imagem do Criador". A Espiritualidade da Marcelina a torna mulher de escuta em constante atitude contemplativa e em constante movimento apostólico segundo a síntese indicada pelo Fundador com o ícone de Marta e de Maria.

Missão Apostólica

A abertura intelectual e a amplitude dos horizontes missionários que caracterizaram o Beato Biraghi nos solicitam a abrir-nos, no tempo, a diversos campos apostólicos, reconhecendo a nossa vocação de educadoras, também no serviço aos doentes, aos pobres, aos últimos.

Hoje, creches, escolas de todo tipo e grau, pensionatos, faculdades e polos universitários, obras paroquiais e sociais, centros de espiritualidade e comunidades de jovens, complexos hospitalares e casas de acolhida para anciãos e doentes são campos abertos à nossa missão educativa, em resposta à inspiração sempre nova e criativa do Espírito Santo e às expectativas e exigências do lugar no qual somos chamadas a nos inserir.

Nossos Santos

Beata Maria Anna Sala

Beata Maria Anna Sala

Nossa Senhora do Divino Pranto

Nossa Senhora do Divino Pranto

Santa Marcelina

Santa Marcelina

Santo Ambrósio

Santo Ambrósio

São Sátiro

São Sátiro

Família Marcelina

As Irmãs Marcelinas

Chamadas à vida religiosa, para consagrar-se a Deus com os votos de castidade, pobreza e obediência, formam as comunidades que, espalhadas no mundo, têm a missão de ensinar o amor de Cristo, por meio da palavra e do exemplo.

Os leigos Marcelinos

Aqueles que, tendo encontrado no estilo de vida e na espiritualidade Marcelina nova força para viver o próprio chamado à santidade, bem como a própria missão no mundo, desejam progredir sempre mais no compromisso cristão com o próximo.

Os colaboradores nas obras Marcelinas

Profissionais ou voluntários, escolhidos por suas habilidades e qualidades, que trabalham nos campos apostólicos das Marcelinas e procuram crescer no conhecimento do carisma da Congregação, bem como no compromisso de colaborar com a missão do Instituto.

Jovens, famílias, doentes, hóspedes e amigos das Marcelinas

Todos os que buscam na Família Marcelina acolhida fraterna, auxílio e luz para orientar suas vidas.